EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Tim Maia



Papo Careta

Tim Maia (Brasil, 2014)é um filme careta para uma figura loucaça. Dentro deste contexto, por mais que tente no início misturar presente e passado, o longa-metragem de Mauro Lima logo adere a linearidade e abandona precocemente sua única tentativa de ser ousado, daí o produto final consistir na típica trajetória errante de sexo, drogas e, nesse caso, soul music vista em tantas cinebiografias  de ícones da música.
Em meio a escolhas discutíveis, como a utilização de dois adultos para interpretar o protagonista, bem como a dublagem das cenas musicais – o que, por óbvio, dificulta a total imersão na narrativa ao passo em que o público acaba lembrado de que está vendo um filme – e um elenco irregular que inclui uma interpretação por demais estereotipada de Roberto Carlos, uma agradável aparição surpresa de Mallu Magalhães, participações no piloto automático de Cauã Reymond e Alinne Moraes, além de uma desnecessária ponta do Jacaré (sim, aquele do É o Tchan), o longa-metragem tem como principal mérito a assombrosa atuação de Babu Santana que ilumina a tela em cada cena, carregando nas costas uma produção que por vezes não consegue nem camuflar a limitação de seus recursos financeiros – vide as televisivas sequências em que o músico faz shows para platéias supostamente grandes¹.
Com efeito, não obstante a considerável quantidade de ressalvas relacionadas, é obvio que o filme irá ser um sucesso de público e render o lucro esperado, êxito esse que, vale dizer, se deverá mais ao poder de atração e importância que o nome Tim Maia ainda hoje possui do que por virtudes desse que é um exemplo de cinema conformado, formulaico que não faz jus, portanto, a genialidade e porralouquice do síndico.
______________________
1. Neste sentido, os poucos e mal dirigidos figurantes são filmados em planos fechados numa manjada estratégia adotada para sugerir um acumulo de pessoas maior do que o existente.

FICHA TÉCNICA


Direção: Mauro Lima

Roteiro: Antônia Pellegrino, Mauro Lima

Elenco: Alinne Moraes, Babu Santana, Cauã Reymond, George Sauma, Laila Zaid, Luis Lobianco, Marco Sorriso, Nando Cunha, Robson Nunes, Tito Naville, Valdineia Soriano, Mallu Magalhães

Produção: Rodrigo Teixeira, Rômulo Marinho Jr

Fotografia: Eduardo Miranda, Ulisses Malta Jr.

Trilha Sonora: Berna Ceppas

Figurino: Reka Koves

Direção de Arte: Claudio Amaral Peixoto

Nenhum comentário:

Postar um comentário