A Grande Beleza



Ode ao Cinema Italiano

A Grande Beleza (Itália, 2013) é, sobretudo, uma ode ao cinema italiano, uma vez que reverencia duas de suas maiores obras: A Doce Vida (Itália/França, 1960) (Itália, 1971) de Federico Fellini e Morte em Veneza (Itália, 1971) de Luchino Visconti. Neste sentido, Jep Gambardella, o jornalista e autor de sucesso de um único livro, percorre as ruas de Roma em meio a pessoas vazias e/ou desencantadas e seus eventos fúteis, tal qual o personagem de semelhante profissão vivido por Marcello Mastroianni no título dirigido por Fellini. Com efeito, se a crise existencial das figuras retratadas ecoa o clássico A Doce Vida, a busca de Jep pela grande beleza no ser humano em uma cidade já tão linda e rica em fatores históricos e culturais se assemelha a procura do músico interpretado por Dirk Bogarde no longa-metragem de Visconti.

Ressalte-se, porém, que o trabalho de Paolo Sorrentino não se contenta em ser apenas um filme homenagem, haja vista que inconteste é seu valor enquanto obra inédita seja no aspecto da forma quanto no do conteúdo. Dentro deste contexto, Sorrentino abre espaço para reflexão sobre a sociedade italiana atual e a contraditória ausência de refinamento de sua parte num local tão culto e belo. Por meio de sua visão ácida, mordaz o diretor entrega diálogos saborosamente cínicos e sequências não raro hilárias em sua ironia. Quanto a forma, A Grande Beleza se destaca como um dos “filmes de arte” mais arrojados já vistos, isso porque seus complexos movimentos de câmera denotam a utilização inteligente da tecnologia para tornar a direção de fotografia uma perfeita moldura para as telas vivas que são as locações romanas.
O vencedor, em 2014, do Oscar de melhor filme estrangeiro poderia facilmente resultar num trabalho pretensioso e enfadonho se capitaneado pela pessoa errada. Nas mãos de Sorrentino a obra é eficiente enquanto homenagem, além de vitoriosa em todas as camadas temporais exploradas, afinal, o cineasta lança um olhar sobre o ontem, o hoje e o amanhã, na medida em que rememora e aplaude o que antes fora filmado em seu país, demonstra o que no momento pode ser feito a partir da união de tal herança cultural com os avanços tecnológicos que tanto influenciam a produção cinematográfica e, por último, planta a esperança de o cinema italiano vir a no futuro readquirir o status exitoso experimentado até a década de 1970. Não a toa, ao término o espectador, extasiado, fica a imaginar o que Fellini seria capaz de criar tendo a seu dispor os recursos técnicos existentes hoje em dia.

Ficha Técnica

Título Original: La grande bellezza
Direção: Paolo Sorrentino
Roteiro: Paolo Sorrentino e Umberto Contarello
Elenco: Anna Della Rosa, Carlo Buccirosso, Carlo Verdone, Franco Graziosi, Galatea Ranzi, Giorgio Pasotti, Iaia Forte, Ivan Franek, Luca Marinelli, Massimo Popolizio, Pamela Villoresi, Sabrina Ferilli, Serena Grandi, Sonia Gessner, Toni Servillo, Vernon Dobtcheff
Produção: Francesca Cima, Nicola Giuliano
Fotografia: Luca Bigazzi
Estreia: 21 de maio de 2013                                                Estreia Brasil: 20 de Dezembro de 2013
Duração: 142 min.

Comentários

POSTS RECENTES MAIS LIDOS