EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

À Beira do Abismo



Genesis

Nem Sam Worthington nem Elizabeth Banks nem Ed Harris; a verdadeira estrela de À Beira do Abismo (EUA, 2012) atende pelo nome de Genesis Rodriguez. Esbanjando beleza e simpatia a atriz nascida em Miami é quem agrega algum frescor a uma produção que se contenta em requentar trechos de histórias já vistas antes¹.
Esperto, o diretor Asger Leth percebe o trunfo que possui e trata de colocar a moça em trajes sumários. Genesis, por sua vez, ao mesmo tempo em que não se acanha perante tal exposição - porque sabedora de sua sensualidade - não utiliza o atributo físico como muleta, haja vista a desenvoltura com que percorre as vias do humor e da aventura.
No papel de uma garota descolada em práticas um tanto ilícitas, a atriz rouba para si todas as cenas das quais participa, o que acaba fazendo com que a atenção do espectador se volte exclusivamente para ela em detrimento, assim, dos demais elementos do longa-metragem. Tal resultado, por óbvio, soa magnífico para Genesis, porém, pouco satisfatório para o trabalho de Leth em seu conjunto – o que, honestamente, pouco importa para quem, capturado pelo carisma da artista, ficar ao término da sessão pensando apenas em assistir os demais filmes que a tenham no elenco².
___________________________
1.   É graças a Genesis Rodriguez, aliás, que até mesmo uma sequência tão clichê como a da dúvida sobre qual fio cortar para desarmar um alarme (que aqui substitui a tradicional bomba relógio) se torna palatável.
2.    A atriz contracena com Rodrigo Santoro e Arnold Schwarzenegger no recém-lançado The Last Stand.

FICHA TÉCNICA
Título Original: Man on a Ledge
Direção: Asger Leth
Produção: Lorenzo di Bonaventura, Mark Vahradian
Roteiro: Pablo F. Fenjves
Elenco: Elizabeth Banks, Sam Worthington, Jamie Bell, Ed Harris, Edward Burns, Anthony Mackie, Kyra Sedgwick, Genesis Rodriguez, William Sadler, Jonah Falcon, Joe Urban, Liz Holtan, Afton Williamson, Pooja Kumar, Brett G. Smith, Jimmy Palumbo, Alex Ziwak, Geoffrey Cantor, Jeff Grossman, J. Bernard Calloway, Erryn Arkin, Naeem Uzimann, John Cenatiempo, Johnathan Hallgrey, Aprella, Frank Pando, Johnny Solo, James Yaegashi, Jabari Gray
Fotografia: Paul Cameron            Trilha Sonora: Henry Jackman
Estreia Mundial: 13.01. 2012      Estreia Brasil: 3.02. 2012
Duração: 109 min.

Nenhum comentário:

Postar um comentário