EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




sábado, 12 de janeiro de 2013

Cinema Verité



É Tudo Verdade?

Em 1971 um programa de televisão se propôs a acompanhar, in loco, o cotidiano dos Loud, uma típica família norte-americana de classe média alta. Nascia assim o primeiro reality show e suas consequentes discussões sobre invasão de privacidade.
Uma vez pioneira dentro desse segmento, a produção ainda padecia da falta de fronteiras bem delimitadas. Enquanto para o produtor Craig Gilbert aquela não passava de uma oportunidade inovadora de angariar as benesses advindas da alta audiência – cujo ponto de vista era devidamente manipulado seja pelos cortes da edição, seja pela própria intervenção daquele profissional que, desprezando qualquer toada documental que pudesse ser atribuída ao projeto, preferia funcionar como uma espécie de instância narrativa concentrada em ditar os rumos a serem tomados pela “história”¹ – para a equipe de filmagem prevalecia, por outro lado, o desejo de se assemelhar ao tão falado cinema verdade sobre o qual europeus como Jean Rouch se debruçavam².
Neste último aspecto, a ausência de uma tecnologia capaz de preencher a residência da família com câmeras automáticas, tornava imprescindível a presença física dos cinegrafistas ao lado dos seres retratados, o que, além de firmar laços de afeto e responsabilidade entre as partes, fazia cair por terra qualquer imparcialidade pretendida.
Cinema Verité (EUA, 2011), dentro deste contexto, alcança todas essas notas ao fazer da ambiguidade dos personagens um espelho da própria ambiguidade do programa. Para tanto, de grande colaboração se mostram as performances de Diane Lane e Tim Robbins que juntos vivificam uma felicidade de fachada prestes a ruir. James Gandolfini, por seu turno, se junta a dupla para tornar ainda mais dúbias as relações humanas e profissionais abordadas³. A partir do momento em que cada um desses três revela suas reais essências, o reality show também assim se mostra, num processo até compreensível em se tratando de um intermitente sistema, emocional, de vigilância.
Taí um filme que George Orwell talvez gostasse de assistir...
___________________________
1.     Vale dizer que a estratégia do produtor Craig Gilbert para vender o produto à recém-nascida TV pública norte americana já indicavam as futuras e até hoje comuns inquietações sobre o caráter oportunista e/ou antropológico de produções desse tipo na medida em que o discurso daquele firmava o programa como uma “experiência em antropologia cultural”, “semelhante às que a antropóloga Margareth Mead realizara em Samoa e na Nova Guiné nos anos 1920 e 30”. Neste diapasão, “em vez de buscar o ‘exotismo’ de culturas distantes”, Gilbert propunha “observar de perto a sociedade americana, na época sacudida de alto a baixo por rupturas sociais, comportamentais, sexuais, culturais” (FONTE: BAHIANA, Ana Maria. Cinema Verité: o estranho legado do primeiro reality show da TV. Disponível no sítio http://anamariabahiana.blogosfera.uol.com.br/2011/04/27/cinema-verite-o-primeiro-reality-show-e-seu-estranho-legado/. Acesso em 12.01.13).
2.     Cinema direto é uma designação que se confunde com cinema-verdade, teorizado por Dziga Vertov (Kino-Pravda) e batizado por Jean Rouch como cinéma vérité.
O conceito surge no final dos anos cinquenta e refere-se, na teoria e prática, a um gênero de documentário que se empenha em captar, sem fins didáticos ou de ilustração histórica, a realidade tal e qual ela é, isto é, que procura "reproduzir" aquilo que na realidade acontece. É um cinema do real que, admitindo um certo grau de subjetividade enquanto forma de expressão, a procura ultrapassar pelo uso de técnicas que garantem a fiabilidade ao objeto ou evento reproduzidos pela câmara, instrumento tão rigoroso como, por exemplo, a fita métrica, usada para medir o tamanho de um determinado objeto. Assume-se, nas suas aplicações, como ferramenta científica ao serviço da verdade. Filmando o Homem, a máquina será um meio privilegiado ao serviço da antropologia (ou da etnografia, enquanto filme etnográfico), quer como instrumento de registro e de pesquisa (research footage) quer como objeto de estudo naquilo que produz (record fotage), na ficção ou no documentário (FONTE: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cinema_directo. Acesso em 12.01.13).
3.     É certo que a narrativa acaba se concentrando em demasiado nesses três seres, deixando, por conseguinte, de explorar mais a fundo outros interessantes papeis como os dos já citados cinegrafistas, além, é claro, do filho homossexual que perante as câmeras e holofotes instiga questionamentos sobre até que ponto seu comportamento é fruto de uma teatralidade deliberada ou natural. Essa opção de centrar a trama sobre um número reduzido de personagens não deixa de ser uma escolha válida em termos de narratologia, porém, inevitavelmente angaria ao telefilme certo ar de incompletude.

Ficha Técnica
Direção: Shari Springer Berman, Robert Pulcini
Roteiro: David Seltzer                          Produção: Karyn McCarthy
Elenco: Dendrie Taylor (Sally)Diane Lane (Pat Loud)Emilio Rivera (Watchman)Jake Richardson (Tommy Goodwin)James GandolfiniJames Urbaniak (Dick Cavett)Kaitlyn Dever (Michelle Loud)Kathleen Quinlan (Michelle Loud)Lolita Davidovich (Val)Nick Eversman (Grant Loud)Patrick Fugit (Alan Raymond)Robert Curtis Brown (Anthropologist)Sean O'Bryan (Johnny Hall)Shanna Collins (Susan Raymond)Stephen Caffrey (Tom)Thomas Dekker (Lance Loud)Tim Robbins (Bill Loud)
Fotografia: Affonso Beato                    Trilha sonora: Rolfe Kent
Duração: 91 min.

Nenhum comentário:

Postar um comentário