EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




terça-feira, 20 de setembro de 2011

Amor a Toda Prova

Além das Expectativas

O trailer de Amor a Toda Prova (EUA, 2011) levava a crer que o filme não passaria de uma variação do tema de Hitch – Conselheiro Amoroso (EUA, 2005), estratégia oportunista de marketing essa que se mostra, felizmente, equivocada, uma vez que o mote principal do romance estrelado por Will Smith não passa, na hipótese do primeiro título, de um elo condutor entre envolventes tramas paralelas.
Não fosse o bastante, o longa-metragem produzido por Steve Carrell ainda se diferencia do exemplo supracitado pela habilidade com que entrelaça enredos de diversos personagens, o que, convenhamos, representa uma aposta de risco, dada a maior probabilidade, nesse caso, da narrativa desandar ou do roteiro deixar furos, o que, ainda bem, não ocorre em momento algum com Amor a Toda Prova, afinal, seu scenario, além de muito bem amarrado, dribla clichês para, ato contínuo, entregar surpresas e piadas verdadeiramente engraçadas.
Sim, alguns personagens acabam tendo um tempo deveras reduzido na tela – como é o caso daqueles defendidos por Kevin Bacon, Julianne Moore e Marisa Tomei – desequilíbrio este que é superado pelos breves, mas certeiros, desempenhos destes atores, bem como justificado pela nítida intenção dos diretores Glen Ficarra e John Requa em compreender o amor a partir da ótica de três homens – o marido traído, o adolescente apaixonado e o galã fornicador –, contexto esse no qual brilham novamente os intérpretes e, em especial, Steve Carrel que mais uma vez confirma seu talento também para o drama.
Tomando como referência os formatos instituídos para o gênero comédia romântica, Amor a Toda Prova supera expectativas, uma vez que não só privilegia o texto como também lança mão de um elenco em ótima sintonia, sendo, desta feita, o tipo de obra que faz o espectador sair da sessão com um enorme sorriso no rosto (taí um clichê evitável, porém preciso), mérito esse que não deve por nada ser ignorado.

COTAÇÃO - ۞۞۞۞

Ficha Técnica

Título Original: Crazy, Stupid, Love
Roteiro: Dan Fogelman
Elenco: Emma Stone (Hannah)Ryan Gosling (Jacob Palmer)Marisa Tomei (Kate)John Carroll Lynch (Bernie Riley)Kevin Bacon (David Lindhagen)Julianne Moore (Emily Weaver)Steve Carell (Cal Weaver)Dan Butler (Cal's Boss)Micaela Johnson (Waitress)Tiara Parker (Gabby)Jonah Bobo (Robbie)Jenny Mollen (Lisa)Analeigh Tipton (Jessica)Beth Littleford (Claire)Richard Steven Horvitz (Lowe's Employee)Liza Lapira (Liz)Joey King (Molly)Crystal Reed (Amy Johnson)Olga Fonda (Danielle)
Música: Christophe Beck e Nick Urata
Fotografia: Andrew Dunn
Direção de Arte: Sue Chan
Figurino: Dayna Pink
Edição: Lee Haxall
Estreia no Brasil: 26 de Agosto de 2011
Estreia Mundial: 29 de Julho de 2011
Duração: 118 minutos

Nenhum comentário:

Postar um comentário