Azul é a Cor Mais Quente



Exercício de Imersão

Filmes voltados a realizar anatomias de relacionamentos amorosos não são novidades. Nos últimos anos, por exemplo, várias vertentes da temática foram lançadas, a saber:
·      Separados Pelo Casamento¹ (EUA, 2006) tratou a questão dentro do formato da comédia romântica, ou seja, de maneira leve e bem humorada;
·      Namorados Para Sempre² (EUA, 2011) – ao contrário – mergulhou fundo na melancolia ao expor com notável veracidade o processo de formação e degradação de uma relação a dois;
·      Ela (EUA, 2013), através de uma inspirada metáfora sobre o quadro de isolamento, solidão a que estamos destinados, ilustrou com precisão a etapa em que determinado elemento do casal evolui e cresce ao ponto de não mais se sentir satisfeito por quem o ladeia até então.
Dentro deste contexto, Azul é a Cor Mais Quente (França, 2013) se diferencia e se destaca ao acrescentar sobre a radiografia de um romance fatores extras como a descoberta (simultânea) do primeiro amor e de uma sexualidade distinta porque homossexual. Tais revelações, aliás, constituem a tônica responsável por tornar a protagonista do longa-metragem tão fascinante, afinal, o que se vê na tela é o amadurecimento e o definhamento não só de uma união mas sobretudo de uma pessoa.
                   Assim, entre seus pares de mesma idade, Adèle revela indiscutível superioridade intelectual, ao passo que em casa mais parece a garotinha crescida dos pais que ainda mastiga de boca aberta e dorme de jeito desengonçado. Em seu íntimo, porém, uma insatisfação adulta lhe assusta: por mais que se entregue a garotos, falta a a adolescente algo que ela suspeita saber. Adiante, ao adentrar num mundo novo no qual todos são mais velhos, Adèle assume sem qualquer receio sua inexperiência e se torna, em contrapartida, mais comedida do que antes ao emitir respostas e opiniões invariavelmente cômicas que expõem tanto sua falta de conhecimento sobre as coisas do mundo quanto o nervosismo ante aquilo que para ela se descortina. Neste passo, a medida em que vai se entregando de corpo e alma para sua amada, Adèle se transforma numa mulher, alguém que agora faz as vezes de dona de casa, de anfitriã dos amigos daquela e que também exerce um ofício remunerado ao longo do dia.
Entretanto, como nada na vida é perfeito, resta claro que as escolhas de Adèle a isolaram daqueles com quem antes convivia. Seus pais não são mais vistos, as antigas amigas de colégio a rechaçaram ante sua homossexualidade, daí que para ela o mundo passa a girar em torno de seu par Emma. Esta, contudo, experimenta um período profissional promissor e o agarra com unhas e dentes, deixando, por conseguinte, de dar a mesma atenção de outrora para Adèle que, insegura, sucumbe face a carência e, num misto ainda de inexperiência quanto de desespero e dúvida, percebe o quanto sua opção sexual não é estanque e sim volátil. Tal como ocorre com Eva após a prática do ato proibido, o Éden no qual vivia Adèle desmorona por completo, momento em que ela se torna adulta de uma vez por todas e passa a ser apenas uma sombra da mulher exuberante que um dia fora³.
Tantas camadas e emoções, vale dizer, são alcançadas graças, principalmente, a duas pessoas:  
·   Adèle Exarchopoulos: atriz que acumula não só uma beleza estonteante e despudorada quanto um incontestável e imenso talento dramático. Com efeito, Adèle – cujo prenome semelhante acaba, de forma curiosa, por confundi-la com sua própria personagem – rapta para si toda e qualquer atenção com um simples olhar ou movimento dos lábios. Não a toa, segundo o jornalista Rafael Nardini:
A atriz carrega a marca indelével das mulheres que sabem o quanto são maravilhosas. É aquela estirpe rara, capaz de sugar nossa vida apenas com um olhar. [...] fixe-se apenas em seus olhos. Pronto. Você está condenado a admirá-la para todo o sempre.
    Eis, portanto, uma revelação como há tempos o cinema não via...

·   Abdellatif Kechiche: responsável por porporcionar ao espectador um exercício de imersão na trama e na vida das personagens, daí ser possível testemunhar com mais de um sentido o que aquelas garotas comem, bebem, fazem e sentem. Para tanto, o cineasta utiliza, numa quase intermitência, closes e planos detalhes – aspecto esse em que, frise-se, demonstra inegável generosidade e admiração para com suas atrizes e seus dotes físicos, no que se ressalta Adèle Exarchopoulos e sua boca de compreensível apelo fetichista. Acerca de seu modus operandi, Kechiche assim esclareceu durante o último festival de Cannes:
Os closes são mais expressivos e emocionantes e me permitem capturar detalhes das expressões que embora vistos, não são percebidos na vida real. [...] O close te força a estar tão próximo da verdade quanto possível. Numa tomada mais de longe, alguém pode fingir que está comendo. Mas, se você fizer um close da boca de alguém que come com apetite, o ator ou atriz não pode fingir.
E é justamente em razão do interesse de Kechiche em conectar a experiência cinematográfica o mais próximo possível da realidade que as cenas de sexo se mostram tão imprescindíveis ao longa-metragem. Ao contrário do que muitos defendem, não se trata de uma prática voyeurística do cineasta, mas sim da ilustração tal como é de algo comum em qualquer relacionamento: o sexo, seja na duração do ato, seja na profusão de toques, carícias e posições. Palmas, portanto, para Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux que não só compraram a ideia do diretor como se entregaram sem amarras uma a outra proporcionando as mais belas, excitantes e verdadeiras sequências de sexo já vistas no cinema. Neste contexto, cada cheiro, tapa, arranhão na pele e gemido são provados pela plateia que junto com a câmera se transforma quase que num terceiro elemento presente na cama.
Dito isso, pobres daqueles que se sentem incomodados com o teor erótico da produção, pois não compreendem nada de sua proposta nem percebem o porquê de essa ser “A primeira grande história de amor do século XXI.
_____________________
1.    Leia mais sobre Separados Pelo Casamento em http://setimacritica.blogspot.com.br/2010/09/separados-pelo-casamento.html.
2.    Leia mais sobre Namorados Para Sempre em  http://setimacritica.blogspot.com.br/2011/06/namorados-para-sempre.html.
3.    Neste sentido, ao se manifestar em entrevista sobre o processo longo e cronológico de filmagens, Adèle Exarchopoulos  afirmou: “eu estava tão exausta que eu acho que as emoções vieram de uma forma mais livre. E não tinha maquiador, stylist ou figurinista. De repente você consegue observar que os rostos foram ficando mais marcadas (de cansaço). Nós filmamos cronologicamente, e isso ajudou porque eu amadureci com as experiências que minha personagem teve” (FONTE: http://venenodebilheteria.wordpress.com/2013/10/05/a-polemica-de-la-vie-dadele-em-5-momentos/. Acesso em 02.03.14).
4.    Bom Dia, Adéle Exarchopoulos in http://papodehomem.com.br/bom-dia-adele-exarchopoulos/. Acesso em 28.02.14.
5.    Revista Preview. Ano 5. ed. 50. São Paulo: Sampa, Novembro de 2013. p. 57.
6.    Andrew O’Heir in www.salon.com.

Ficha Técnica
Título Original: La Vie D’Adèle

Direção: Abdellatif Kechiche

Roteiro: Abdellatif Kechiche, Ghalia Lacroix

Elenco: Adèle Exarchopoulos, Léa Seydoux, Aurélien Recoing, Catherine Salée, Alma Jodorowsky, Anne Loiret, Salim Kechiouche, Mona Walravens

Fotografia: Sofian El Fani

Edição: Ghalia Lacroix, Albertine Lastera, Jean-Marie Lengelle, Camille Toubkis

Estreia no Brasil: 06.12.2013                                  Estreia Mundial: 09.10.2013

Duração: 179 min.

Comentários

  1. Achei realmente genial esse filme. Os closes nos dão a impressão de estarmos mais perto, fazendo parte da trama. E vc reparou com o tom azul predomina no filme? nas roupas, na parede, no cabelo.. Ora azul claro, ora azul escuro.
    O filme não conta a história de um relacionamento lésbico, conta a história de vida de Adele, onde a gente imerge e torce pra que ela tenha seu final feliz com Emma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a riqueza de detalhes quanto aos objetos cenográficos de cor azul impressiona, tal como, por exemplo, na sequência da praia.
      Há outro filme que também se vale de uma paleta azul e o faz igualmente com perfeição; é Mr. Nobody. Você já viu?

      Excluir

Postar um comentário

POSTS RECENTES MAIS LIDOS