O Médico Alemão / Os Meninos do Brasil



Histórias de uma Fuga

 O Médico Alemão (Argentina/Espanha/Noruega/França, 2013) e Os Meninos do Brasil (EUA, 1978) são obras obviamente interligadas, afinal, um funciona de prequel para o outro. Neste passo, o primeiro, mais restrito aos fatos realmente ocorridos, retrata o momento em que já foragido o nazista Josef Mengele se refugia na Argentina, ao passo em que o segundo, baseado no romance de Ira Levin, envereda pelo campo ficcional com maior intensidade ao mostrar o passo seguinte de sua fuga quando o criminoso de guerra se estabelece no Paraguai.

O trabalho dirigido pelo experiente Franklin J. Schaffner, cabe dizer, envelheceu mal, tendo hoje a aparência de um telefilme barato no qual as soluções visuais são capengas e as interpretações sofríveis. Com efeito, no que tange esses dois aspectos criticados tem-se uma visão estereotipada de um Paraguai onde homens estão sempre banhados em suor e empregadas executam tarefas domésticas de seios desnudos, cenário esse em que nem mesmo as presenças de Gregory Peck e Laurence Olivier servem de alento dada as atuações exageradamente teatrais de cada um. Não fosse o bastante, Os Meninos do Brasil peca pelo excesso de didatismo, daí o acúmulo de explicações volta e meia prejudicar o ritmo da trama tornando anticlimáticas sequências que poderiam até salvar o filme do esquecimento.
O Médico Alemão é um primor de elegância na medida em que não menospreza o espectador e não entrega a este tudo mastigado, preferindo, desta feita, deixar subentendidos através de poucos frames relevantes trechos da passagem de Mengele por Bariloche – como as realizações de cirurgias plásticas para troca de rostos dos oficiais nazistas que ali se escondiam e a condescendência de certos argentinos perante o passado dos alemães que visitavam suas terras. Dentro deste contexto, soma-se a colaboração do ator Àlex Brendemühl que, ao contrário de Gregory Peck, compõe um Mengele taciturno, sorrateiro, lacônico, mas também duro e cruel, características essas que mesmo quando unidas em momento algum fazem parecer que o médico alemão se considera uma espécie de sucessor vivo de Adolf Hitler, tal como visto em Os Meninos do Brasil.

Emoldurada por uma bela direção de fotografia, a narrativa se vale do objetivo de não parecer um vídeo educacional e, ato contínuo, vai paulatinamente liberando informações para fundir drama e suspense fazendo deste um trabalho que corrobora não só a já tão propagada qualidade como também diversidade do cinema argentino atual.

Ficha Técnica – O Médico Alemão
Título Original: Wakolda
Direção e Roteiro: Lúcia Puenzo
Produtores: Axel Kuschevatzky, Fabienne Vonier, Gudny Hummelvoll, José María Morales, Lucía Puenzo, Stan Jakubowicz
Elenco: Àlex Brendemühl, Abril Braunstein, Alan Daicz, Alex Brendemühl, Ana Pauls, Diego Peretti, Elena Roger, Florencia Bado, Guillermo Pfening, Juani Martínez, Natália Oreiro
Fotografia: Nicolás Puenzo
Trilha Sonora: Daniel Tarrab, Andrés Goldstein
Estreia: 29.08.2013                                           Estreia no Brasil: 12.06.14
Duração: 93min.




Ficha Técnica – Os Meninos do Brasil
Título Original: The Boys from Brazil
Direção: Franklin J. Schaffner
Roteiro Heywood Gould baseado na obra de Ira Levin
Elenco: Gregory Peck, Laurence Olivier, James Mason, Lili Palmer, Uta Hagen, Rosemary Harris, Anne Meara, Denholm Elliot e Steve Guttemberg.
Diretor de Fotografia: Henri Decaë
Edição
: Robert Swink
Diretor de Arte:
Peter Lamont
Figurino:
Anthony Mendleson
Trilha Sonora: Jerry Goldsmith
Estreia: 05.08.1978
Duração: 124 min.


Comentários

POSTS RECENTES MAIS LIDOS