Retrospectiva 2014, Perspectiva 2015



Retrospectiva 2014, Perspectiva 2015

2014 haverá de ser lembrado como um ano negro para a história da cultura no Estado do Pará. Neste sentido, a crise enfrentada pelas salas de cinema alternativo deu as caras logo nos primeiros meses do ano quando uma pane ocorrida no projetor do Cine Líbero Luxardo deixou o público por semanas carente da boa programação daquele lugar. Em seguida, a polêmica rejeição por parte de Cine Olympia e Cine Líbero quanto a proposta de doação de projetores não mais utilizados pelo complexo Cinepólis deixou estupefata toda uma comunidade cinéfila que, ansiosa por tal presente, teve de aturar justificativas autossuficientes e utópicas para o não aceite.
Já próximo ao fim do ano, a aprovação do projeto de lei estadual n°439/2014 determinou a fusão do Instituto de Artes do Pará (IAP) e das Fundações Curro Velho e Tancredo Neves (CENTUR), passando os três a partir de então a compor a Fundação Cultural do Pará. Tal reforma administrativa, como sabido, visa a redução de despesas e redirecionamento de verbas o que, convenhamos, permite as mais drásticas previsões e especulações na medida em que sem ter a disposição o mesmo orçamento de outrora e deixando de ter cada um daqueles sua autonomia gerencial, fica difícil crer que as atividades desempenhadas no passado pelos três sejam normalmente mantidas no futuro.
O cinema, dentro deste contexto, corre o risco de perder as oficinas de formação profissional (IAP e Curro Velho), o apoio técnico e logístico as produções audiovisuais (IAP) e até (por que não?) a regularidade das projeções nas salas de cineclube (IAP e CENTUR). Guardadas as devidas proporções, a extinção da Embrafilme aniquilou no início da década de 90 a pretensão de se fazer cinema no país, cenário, pelo visto, reservado daqui para a frente àqueles que, embora sedentos por praticar sua arte, não forem agraciados pela iniciativa privada nem residirem na capital paraense.

Comentários

POSTS RECENTES MAIS LIDOS