EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Atividade Paranormal 2

Funcional Mais do Mesmo
Produções como A Bruxa de Blair (The Blair Witch Project, EUA, 1999), REC (Espanha, 2008), Cloverfield (EUA, 2008), e Atividade Paranormal (Paranormal Activity EUA, 2009) inauguraram um novo segmento dentro do gênero terror, qual seja o dos falsos documentários realizados a partir de gravações supostamente amadoras acerca de eventos provavelmente verídicos.
Tais obras – que, na falta de uma denominação oficial, serão aqui batizadas como fake films – possuem em comum, além da forma, um custo orçamentário, via de regra, ínfimo e que rotineiramente é nas bilheterias superado com folga, graças a estratégias de marketing apoiadas no boca a boca, na INTERNET e na característica principal do filme, qual seja a opção por sugerir muito e mostrar pouco, o que, além de manter a atenção do público até o último instante de projeção, logra o êxito de, não raro, levar o espectador a repetir na na sala do cinema a experiência de sustos sofrida.
Atividade Paranormal 2 (EUA, 2010) surge em meio ao contexto mencionado no intuito de consolidar, em definitivo, os fake films como uma das mais rentáveis formas de investimento da indústria cinematográfica atual, assim como tábua de salvação de um gênero cuja credibilidade fora destruída ao longo do tempo por conta de projetos terrir que de tão oportunistas e nonsense ridicularizavam até mesmo a inteligência da platéia.
Isto posto, a sequência do sucesso de 2009 atua como prequel aos fatos relatados no filme anterior, motivo pelo qual acaba sendo obrigada a, ao contrário do modo como fora estruturado seu irmão mais velho, entregar um roteiro com algo além de uma premissa, dada a necessidade de se explicar os motivos que levaram até a tragédia mostrada no volume um.
Dito isso, cabe frisar que o diretor Tod Williams demonstra saber que o mais importante num trabalho dessa espécie é ser sucinto, razão pela qual rejeita o caminho da continuação turbinada para, neste passo, moldar o roteiro à supracitada premissa, fabricando, desse modo, uma genuína sensação de medo resultada não só do apelo visual, mas, sobretudo, da expectativa frustrada.
Assim, apesar do espectador pressentir que algo está prestes a acontecer, criando, por isso, uma preparação psicológica para um eventual susto, a produção opta por deixar aquele a ver navios, criando, desta feita, falsos momentos de susto e preferindo, em contrapartida, arremessar o público para longe da poltrona através de surpresas inseridas em ocasiões totalmente inesperadas.
Atividade Paranormal 2 pode até não gozar do mesmo frescor do longa-metragem antecessor, revelando-se por várias vezes como um típico produto mais do mesmo. Todavia, não há como negar, por mais contraditório que possa parecer, que a repetição de estrondos repentinos, assim como a movimentação abrupta de portas e objetos inanimados continua extremamente eficiente e divertida, o que, para o universo dos filmes de horror, é um resultado bastante louvável eis que muito pouco atingido nas últimas décadas.

COTAÇÃO - ☼☼☼

Ficha Técnica

Título Original: Paranormal Activity 2
Direção: Tod Williams
Roteiro:Michael R. Perry
Produção: Oren Peli e Jason Blum
Elenco: Amber Armstrong (Amber)Micah Sloat (Micah), Katie Featherston (Katie)Molly Ephraim (Ali)Sprague Grayden ( Kristi)
Fotografia:Michael Simmonds
Figurino:Kristin M. Burke
Edição:Gregory Plotkin
Duração: 90 min

Um comentário:

  1. Não gostei do primeiro filme, achei sem graça. Portanto, nem irei ver esta continuação que parece ser pior. Enfim, ótimo texto ;)

    ResponderExcluir