EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




domingo, 30 de setembro de 2012

Habemus Papam



Ser ou Não Ser

Habemus Papam (Itália/França, 2011), como o próprio título sugere, situa sua trama em meio a realização de um conclave papal. Ao tratar de tal assunto, o diretor Nanni Moretti passa longe, porém, dos jogos políticos e de poder que envolvem tal sucessão – conforme visto, por exemplo, no best-seller As Sandálias do Pescador, adaptado para o cinema em 1968 – e opta por uma toada irônica na qual nenhum integrante do alto clero deseja assumir tamanha responsabilidade que é ser o Santo Padre.
Sim, a premissa pode parecer inverossímil, mas não há como não se envolver com a sutileza do humor que pontua a história de um homem em grave crise vocacional. Neste sentido, Moretti não almeja ser um crítico da Igreja Católica – até porque, na verdade, acaba revelando inegável simpatia pelo Vaticano, a despeito de alguns comentários sobre seus privilégios e regalias – mas sim explorar as consequências do ato de um único ser humano perante multidões de fieis.
Dito isso, o balanço exato entre comédia e drama, vale dizer, é resultado não só de um roteiro burilado como também de um excepcional elenco. Ao lado do protagonista Michel Piccoli, todos os demais artistas que interpretam os membros do Colégio de Cardeais se revelam mestres em expressar muito a partir de gestos contidos e olhares repletos de significados – que o diga a ótima sequência do campeonato de vôlei!

FICHA TÉCNICA
Diretor: Nanni Moretti
Produção: Jean Labadie, Nanni Moretti, Domenico Procacci
Roteiro: Nanni Moretti, Francesco Piccolo, Federica Pontremoli
Elenco: Michel Piccoli, Nanni Moretti, Jerzy Stuhr, Renato Scarpa, Margherita Buy, Franco Graziosi, Leonardo Della Bianca
Fotografia: Alessandro Pesci             Trilha Sonora: Franco Piersanti
Estreia no Brasil: 16.03.2012              Estreia Mundial: 15.04.2011
Duração: 102 min.

Nenhum comentário:

Postar um comentário