EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




sábado, 29 de dezembro de 2012

Melhores Filmes de 2012


          2012 começou com todo gás para os cinéfilos de Belém. Após um primeiro semestre marcado por grandes filmes, a segunda metade do ano demonstrou uma certa desacelerada e, já próximo a seu fim, retomou o fôlego revelando gratas surpresas aos amantes da sétima arte. Desta feita, vejamos então o que de melhor foi exibido ao longo desses meses no circuito comercial/alternativo da cidade das mangueiras. Ah, a lista desse ano tem como novidade a eleição dos melhores trabalhos a partir de categorias técnicas específicas. Aproveite a leitura, discorde ou aprove quanto aos votos dados e, sobretudo, confira sem falta a todas essas ótimas manifestações artísticas. Até 2013!

1.   L'Apollonide - Os Amores da Casa de Tolerância
Bruto e também elegante; cru e ao mesmo tempo poético; deprimente, mas romântico; sensual, porém, bizarro. Para quem ainda não viu, eis, enfim, um filme imperdível.

2.   Shame
Shame é uma das mais belas, tristes e, por conseguinte, sinceras obras dos últimos anos. Nossos agradecimentos a Steve McQueen, Michael Fassbender e Carrey Mulligan que juntos criaram um filme milimetricamente pensado e bem feito.

3.   A Separação
Merecidamente laureado com Oscar de melhor filme estrangeiro, A Separação é um fabuloso retrato de pessoas. Tratando de relações humanas/familiares o longa-metragem indica que não somos necessariamente cercados por heróis ou vilões mas sim por seres falíveis que não raro tropeçam perante as boas intenções e padecem face as conseqüências.

4.   A Invenção de Hugo Cabret
Martin Scorcese presta sua maior homenagem ao cinema em forma de filme para a família. Ao relembrar o talento e importância de George Méliès para a sétima arte, A Invenção de Hugo Cabret se revela obrigatório a qualquer cinéfilo.

5.   Drive
O Taxi Driver do novo milênio, Drive é um trabalho vintage, também conectado as diretrizes (a)morais de hoje.

6.   Febre do Rato
A crítica ficou dividida quanto a este último trabalho de Cláudio Assis. Bobagem, Febre do Rato é o melhor e mais ousado filme brasileiro do ano. A falsa aparência hermética, neste sentido, revela, na verdade um longa-metragem que fala diretamente ao público sem abrir mão da poesia.

7.   O Impossível
Duas forças da natureza em duelo: Naomi Watts e o tsunami que devastou o litoral da Tailândia. O filme: O Impossível; aquele que “transforma o cinema catástrofe em uma obra de arte”.

8.   Tomboy
Tomboy impressiona pelo destemor com que assume riscos. Ao abordar a espinhosa questão da identidade sexual e troca de gênero ainda na infância, o filme não deixa margem a qualquer polêmica vazia, graças a naturalidade e sensibilidade com que trata o assunto.

9.   Um Conto Chinês
Um Conto Chinês se vale de um roteiro extremamente hábil na articulação de detalhes. Assim, absolutamente nada na história se mostra aleatório, característica que, aliás, autoriza um eficiente flerte da trama com o absurdo.

10.         Os Descendentes
George Clooney dá um show em drama cujo formato pode até não primar pelo ineditismo, mas que comove graças a honestidade com que deflagra as emoções pretendidas.

12. Pina
13. Transeunte
15. Cosmópolis
16. Deus da Carnificina
17. Xingu
18. Argo
20. Fausto

Melhor Documentário: Pina
Melhor Direção: Martin Scorcese (A Invenção de Hugo Cabret)
Melhor Ator: Michael Fassbender (Shame)
Melhor Ator Coadjuvante: Omar Sy (Intocáveis)
Melhor Atriz: Naomi Watts (O Impossível)
Melhor Atriz Coadjuvante: Carey Mullingan (Shame)
Melhores Efeitos Especiais: As Aventuras de Pi
Melhor Fotografia: L'Apollonide - Os Amores da Casa de Tolerância
Melhor Trilha Sonora: L'Apollonide - Os Amores da Casa de Tolerância
Melhor Montagem: A Invenção de Hugo Cabret
Melhor Direção de Arte: A Invenção de Hugo Cabret
Melhor Figurino: L'Apollonide - Os Amores da Casa de Tolerância
Roteiro Original: A Separação
Roteiro Adaptado: Fausto

Um comentário:

  1. "Transeunte" antes de "O Artista" é muita sacanagem hein... não curti mil vezes!

    ResponderExcluir