EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

O Voo



Retorno em Grande Estilo

Eis que Robert Zemeckis retorna ao mundo do live action e o faz em grande estilo, contrariando todas as expectativas negativas nesse sentido. Com efeito, o cineasta demonstra que ainda tem muito com o que colaborar para o cinema através de O Voo (EUA, 2012), um dramão que prende o espectador do início ao fim e que tem como maior virtude a firmeza com a qual caminha sem tecer julgamentos sobre seus personagens.
Dentro deste contexto, a sequência de abertura trata de indicar a essência adulta do enredo, bem como aproveita para esclarecer que desta vez Denzel Washington não interpreta mais um mocinho, o que não quer dizer, porém, que seja possível concluir que seu personagem é um vilão na acepção clássica do termo, afinal a dubiedade de seu comportamento e de seus atos de heroísmo e comiseração são tão relativizadas que nem mesmo o público consegue estabelecer um juízo de valor exato – e por isso inumano – sobre o mesmo.
Aliás, essa humanização dos personagens principal e coadjuvantes, frise-se, é um trunfo tão grande do roteiro que até mesmo certas escorregadas em clichês são facilmente relevadas, até porque ao texto eficiente e a ótima forma de Zemeckis soma-se o imponente trabalho de Washington que captando a intenção existente de não enquadrar o protagonista na simplória definição de certo ou errado não faz esforços para parecer cativante aos olhos do público, preferindo ao contrário apenas manter-se coerente com a personalidade arrogante mas também solidária de um homem que assim como qualquer pessoa possui mais de uma faceta em seu interior.
O elenco de O Voo ainda conta com a participação de nomes consagrados como John Goodman, Melissa Leo e Don Cheadle, contudo é Denzel Washington quem realmente brilha ao entregar a melhor interpretação de um alcoólatra já vista em décadas, o que, convenhamos, não é pouca coisa.

FICHA TÉCNICA
Título Original: Flight
Direção: Robert Zemeckis
Produção: Laurie MacDonald, Walter F. Parkes, Jack Rapke, Steve Starkey, Robert Zemeckis
Roteiro: John Gatins
Elenco: Denzel Washington, James Badge Dale, Don Cheadle, John Goodman, Kelly Reilly, Bruce Greenwood, Melissa Leo, Nadine Velazquez, Tamara Tunie, Garcelle Beauvais, Rhoda Griffis, Brian Geraghty, Adam Tomei, Michael Beasley, Kwesi Boakye, Bethany Anne Lind, Justin Martin, Adam C. Edwards, Steve Coulter, Ric Reitz, Philip Pavel, Tommy Kane, Boni Yanagisawa, Jackson Walker, Brian F. Durkin, Candace Blanchard, E. Roger Mitchell, Cabrenna H. Burks, Jason Benjamin, Tammy Luthi Retzlaff, Tara Jones, Miles Mussenden, L. Stephanie Ray, Carter Cabassa, Holly Firfer, Kevin Michael Murphy, Joel Rogers, Sharon Blackwood, John Crow, Thomas Elliott, J.T. Seidler, Harley Shellhammer, Dane Davenport, Gregory Marshall Smith, Ted Huckabee, Charlie E. Schmidt, Curtis Gammage, Anthony B. Harris, Todd Maynor, Al G. Sillah, Marie Keefe, Keith Ratchek, Tony D. Sims, Jennifer Olympia Bentley, Miller Carbon, Charles Casey, Jill Jane Clements, Alonzo Cook, Bradford Haynes, Zack Kibria, Camille Murray, Timothy Scott, Tony D. Sims, Jermaine Thomas
Fotografia: Don Burgess                                     Trilha Sonora: Alan Silvestri
Estreia Mundial: 02.11.2012                             Estreia Brasil: 08.02.2013
Duração: 138 min.

Um comentário:

  1. Um filme que achei tudo simples, e nada diferente do que eu já vi várias vezes no cinema. Em especial essa atuação superestimada do Denzel Washington.

    ResponderExcluir