EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




quinta-feira, 12 de agosto de 2010

O Segredo dos Seus Olhos


CINEMÃO

Falar de O Segredo dos Seus Olhos (Argentina, 2009) significa lidar com elogios e adjetivos, eis que a obra representa, com todo o mérito, um artigo hoje raro: o cinema com c maiúsculo ou, melhor dizendo, o CINEMÃO!
Nesta toada, o filme de Juan José Campanella assume com total honestidade uma levada clássica, mas que também não se furta em ser arrojada – a sequência sem cortes no estádio de futebol é uma prova disso.
Desta feita, romance, suspense, humor e questionamentos sócio-políticos são mesclados com extrema eficiência, causando ao espectador reações genuínas como: emoção, euforia, temor, indignação, tristeza e alegria.
Tal resultado, vale dizer, é obtido graças a mão leve de Campanella que não comete o equívoco de adotar qualquer tom sisudo e/ou solene, preferindo, portanto, debruçar-se sobre os sensações extraídas de um roteiro tocante, bem amarrado e recheado de diálogos excepcionais em sua ironia.
Dentro deste contexto, um habilidoso trabalho de montagem permite ao público ser levado, sem qualquer esforço, em viagens de idas e vindas no tempo, ocasiões essas em que fotografia logra êxito na adoção dos tons pedidos por cada cena, através de funcionais contrastes cromáticos.
Todas essas virtudes técnicas, ressalte-se, se mostram ainda mais relevantes por não serem apenas um fim em si mesmas, visto que, acima de tudo, servem de zona de conforto para que o elenco alcance interpretações verdadeiras, dignas de atores que confiam tanto no enredo abordado quanto na pessoa que os dirige.
Fazia tempo, como já dito, que um filme não manejava com tamanha perfeição tantos elementos narrativos. Fazia tempo que uma produção não envolvia com tanta paixão a platéia, prestando-se, assim, a permanecer na memória desta, bem como a servir de referência e de indicação.
Por isso, quando alguém lhe perguntar sobre o que trata O Segredo dos Seus Olhos, basta dizer que a obra gira em torno de uma história de amor. Felizardo aquele que se dispuser a conferir algo com um argumento aparentemente tão repetitivo.

COTAÇÃO - ☼☼☼☼☼             

Ficha Técnica
Título Original: El Secreto de sus Ojos
Direção e Edição: Juan José Campanella
Elenco: Ricardo Darín (Benjamín Espósito )Elvio Duvini (Juan Robles)Maximiliano Trento (Guardia comisaría)Fernando Pardo (Sicora)Kiko Cerone (Molinari)Juan José Ortíz (Agente Cardozo)Mariano ArgentoSebastián Blanco (Pinche Tino)Alejandro Abelenda (Pinche Mariano)Mario Alarcón (Juez Fortuna Lacalle)Rudy Romano (Ordóñez)Bárbara Palladino (Chica piropo)Carla Quevedo (Liliana Coloto)José Luis Gioia (Inspector Báez)Guillermo Francella (Pablo Sandoval)Javier Godino (Isidoro Gómez)Pablo RagoSoledad Villamil (Irene Menéndez Hastings)David Di Napoli 


Música:Federico Jusid e Emilio Kauderer
Fotografia:Félix Monti
Figurino: Cecilia Monti
Estreia no Brasil: 26 de Fevereiro de 2010
Duração: 127 minutos

Nenhum comentário:

Postar um comentário