EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




quarta-feira, 16 de junho de 2010

Esquadrão Classe A



Vale o Ingresso

Para felicidade de seus fãs, Esquadrão Classe A recebeu tratamento extremamente respeitoso por parte da equipe de produção responsável por sua versão 2010.
Neste sentido, Joe Carnahan, diretor do cultuado Narc, fora escalado para comandar tal empreitada, o que, por certo, configurou o maior acerto do longa-metragem, pois, em razão de também haver trabalhado na elaboração do roteiro, o cineasta se permitiu não só modernizar o aspecto técnico-visual das aventuras do quarteto de mercenários – para também torná-las atraentes aos espectadores mais novos que não viveram os anos 80, década de lançamento da série televisiva original – como também manter o controle da história a ser contada.
Desta feita, por mais mirabolantes que sejam as cenas de explosões e tiroteios – que bem poderiam ter sido editadas de forma menos frenética para facilitar a compreensão do que é projetado – e mesmo que furos do roteiro volta e meia insistam em surgir na tela, ainda assim a trama não é deixada em segundo plano, de forma que após cada nova correria o diretor volta a centrar o foco na relação de amizade e companheirismo dos integrantes do A-Team.
Dentro deste contexto, Carnahan revela inusitado tino cômico ao dosar medidas certas de ação e comédia, bem como ao extrair do elenco interpretações despojadas que passam longe da canastrice e/ou do caricato.
Simpatia, aliás, é o que esbanja o casting, principalmente Liam Neeson que, como de costume, se destaca graças a elegância de seus métodos, o que, é claro, não deixa de ser curioso, já que sua participação neste blockbuster engrena em sua filmografia uma fase diferente composta por aventuras escapistas – vide Busca Implacável e Fúria de Titãs – nas quais o ator sempre aparenta ser quem mais se diverte no set.
Preconceitos à parte, Esquadrão Classe A é filme-pipoca feito para aproveitar as férias escolares? Sim! Vai mudar o cinema em alguma coisa? De jeito nenhum. Representa mais um filme descerebrado? Até que nem tanto. É divertido? Demais! Vale o ingresso? Com certeza!!!

COTAÇÃO - ☼☼☼         

Ficha Técnica
Título Original: The A-Team
Direção: Joe Carnahan
Elenco: Bradley Cooper (Templeton "Cara de Pau" Peck) Omari Hardwick (Chopshop Jay)Terry Chen (Ravech)Maury Sterling (Gammons)Brian Bloom (Brock Pike)Yul Vazquez (General Javier Tuco)Henry Czerny (Director McCready)Gerald McRaney (General Morrison)Liam Neeson (John "Hannibal" Smith)Patrick Wilson (Lynch)Jessica Biel (Charisa Sosa)Quinton 'Rampage' Jackson (B.A. Baracus)Sharlto Copley (Capitão Murdock)
País de Origem: Estados Unidos da América
Estreia: 11 de Junho de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário