E Agora, Aonde Vamos?/Polissia


Quando a Limitação de Foco se Torna um Problema

Não bastasse a contemporaneidade e a nacionalidade francesa, E Agora, Aonde Vamos? (2011) e Polissia (2011) guardam duas consideráveis semelhanças. A primeira delas, mais evidente, advém do fato de suas diretoras Nadine Labaki e Maïwenn Le Besco também atuarem em frente as câmeras em papeis quase protagonistas dos respectivos trabalhos. O segundo ponto de ligação entre as obras, por seu turno, é detectado na parcialidade do olhar que ambas as cineastas lançam sobre seus roteiros, característica essa, vale dizer, resultante da opção que as mesmas fazem por manter a atenção de suas narrativas em um específico lado da história.
O longa-metragem de Nadine Labaki trata do cotidiano de um vilarejo no Líbano onde convivem católicos e muçulmanos. Neste cenário de tensão as mulheres se dedicam diariamente a criar e executar planos dos mais esdrúxulos para manter a paz no lugar. Com efeito, Labaki se utiliza de saídas cômicas eficientes, responsáveis por empregar leveza a um assunto normalmente abordado com frieza. O problema, dentro deste contexto, é que quando tem de ser sério o filme acaba falhando em razão da compreensão generalizante de uma artista que, pelo visto, vê os homens como trogloditas – ainda que essa não seja uma inverdade absoluta, o equívoco está em não abrir espaço para exceções a regra – e as mulheres como seres superiores obrigados a aturar em seu convívio um sexo tão ignóbil como o masculino. Trabalho feminista no sentido mais machista do termo.
Em Polissia Maïwenn almeja tratar do espinhoso tema da pedofilia sob o ponto de vista de policiais que lidam exclusivamente com casos dessa espécie. Tal limitação de foco em muito se assemelha a estratégia de abordagem utilizada no documentário, daí a produção exalar ares de cinema não ficcional durante toda sua duração. O espectador, contudo, não tarda a sentir falta de um tratamento mais pormenorizado acerca dos sofrimentos experimentados pelas vítimas e por suas famílias; neste sentido, fragmentos de dramas são mostrados e logo em seguida deixados de lado em benefício de coisas banais como os amores reprimidos percebidos entre alguns daqueles policias. Dito isso, é Inegável que, quando quer, o longa-metragem consegue chocar, incomodar, mas também é muito perceptível que se pelo menos fosse mais concisa e aparasse muitas abas desnecessárias Maïwenn alcançaria um resultado superior em contundência.

Ficha Técnica - E Agora, Aonde Vamos?
Título Original: Et Maintenant, On Va Où?
Direção: Nadine Labaki
Elenco: Antoinette Noufaily (Saydeh)Claude Moussawbaa (Takla)Layla Hakim (Afaf)Nadine Labaki (Amale)Yvonne Maalouf (Yvonne)
Trilha Sonora: Khaled Mouzanar        Duração: 100 min.

Ficha Técnica – Polissia
Título Original: Polisse
Direção: Maïwenn
Produção: Alain Attal                     Roteiro: Maïwenn, Emmanuelle Bercot
Elenco: Karin Viard, Marina Foïs, Joey Starr, Nicolas Duvauchelle, Maïwenn, Karole Rocher, Emmanuelle Bercot, Frédéric Pierrot, Arnaud Henriet, Naidra Ayadi, Jérémie Elkaïm
Fotografia: Pierre Aïm                    Trilha Sonora: Stephen Warbeck
Estreia no Brasil: 31.08. 2012        Estreia Mundial: 19.10.2011
Duração: 127 min.

Comentários

POSTS RECENTES MAIS LIDOS