EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Na Estrada


Aquém das Expectativas

Por décadas On the Road, a mais cultuada obra beatnik, foi rotulada como um material impossível de ser transposto para o cinema graças a estrutura ininterrupta de um texto que, escrito num só parágrafo¹, é situado em diversas locações e permeado por inúmeros episódios e personagens. Não a toa, portanto, é possível sentir ao longo de toda a duração de Na Estrada (EUA, 2012) a dificuldade com que tal adaptação cinematográfica fora feita, daí que se a leitura do texto original se mostra fluida face o inebriante fôlego de seu autor Jack Kerouac, a versão dirigida por Walter Salles padece pelo excesso de fidelidade na medida em que ao tentar manter o maior número possível de personagens coadjuvantes citados no livro, perde em coesão tornando a experiência arrastada, quando não vazia e, por isso, distante do objetivo final de Kerouac, para quem, segundo Howard Cunnell:
“As coisas devem fazer sentido em relação umas às outras. As elaboradas histórias em segundo plano e as histórias principais devem ser construídas para explicar por que seus amigos pegam a estrada. Elas devem ser meias-irmãs de sangue, em busca de uma herança perdida, em busca de pais, famílias, lares e até mesmo em busca da América”
Em seu desenfreado afã fidedigno Salles compõe um trabalho excessivamente técnico, motivo pelo qual correta está Mariane Morisawa ao concluir que: “Em suma, falta paixão a Na Estrada, elemento que os personagens reais e fictícios tinham de sobra”³. Considerando que o resultado final ficara muito aquém das expectativas existentes mundo afora, sorte maior talvez teria o cineasta brasileiro se optasse pela estratégia de rompimento com a fonte de origem empregada por David Cronenberg ao adaptar Naked Lunch⁴ de William S. Burroughs, ainda hoje o melhor filme produzido em torno do legado contra-cultural deixado pela geração beat.
___________________________
1.Em abril de 1951, entorpecido por benzedrina e café, inspirado pelo jazz, [Jack Kerouac] escreveu em três semanas a primeira versão do que viria a ser On the Road. Kerouac escrevia em prosa espontânea, como ele chamava: uma técnica parecida com a do fluxo de consciência” (On the Road. O Manuscrito Original. Porto Alegre: L&PM, 2012. p. 1).
2.Rápido desta vez. Jack Kerouac e a escritura de On the Road. On the Road. O Manuscrito Original. Porto Alegre: L&PM, 2012. p. 15.
3.PREVIEW. Ed. 34. São Paulo: Sampa, Julho de 2012. p. 61.
4.Lançado em 1991, o longa-metragem recebeu no Brasil o estranho título Mistérios e Paixões. Quanto ao processo de adaptação, Joshua Klein escreve que: “Em vez de adaptar fielmente um livro que muitos disseram jamais poder ser adaptado para as telas, Cronenberg respondeu tornando-o propositalmente ainda mais complicado, incorporando elementos não só de outras obras de Burroughs, mas também da vida do autor” (1001 Filmes Para Ver Antes de Morrer. Rio de Janeiro: Sextante, 2008. p. 798).

FICHA TÉCNICA
Título Original: On the Road
Direção: Walter Salles
Produção: Charles Gillibert, Nathanaël Karmitz, Jerry Leider, Rebecca Yeldham, Walter Salles
Roteiro: Jose Rivera, Walter Salles
Elenco: Kristen Stewart, Amy Adams, Viggo Mortensen, Kirsten Dunst, Garrett Hedlund, Alice Braga, Sam Riley, Steve Buscemi, Elizabeth Moss, Danny Morgan.
Fotografia: Eric Gautier                            Trilha Sonora: Gustavo Santaolalla
Estreia no Brasil: 13.07. 2012                  Estreia Mundial: 23.05.2012
Duração: 137 min.

Nenhum comentário:

Postar um comentário