EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Uma Manhã Gloriosa


Harrison Ford Como Ele Mesmo

Num tempo em que as comédias se mostram cada vez mais estúpidas, sem graça e grosseiras, causa alegria um filme que ao invés de apelar para piadas escatológicas opte por um humor refinado amparado num esperto texto sobre a tênue linha demarcatória do bom gosto na grade televisiva de canais abertos.
Neste sentido, em Uma Manhã Gloriosa (EUA, 2010) os muitos tipos que transitam nos bastidores e estúdios da TV norte-americana são encarnados por um elenco afiadíssimo no qual se destacam Rachel McAdams, adorável e linda, e, principalmente, Harrison Ford. Após anos errando em personagens e projetos enfadonhos – o que inclui a fraca quarta aventura da séria Indiana Jones – o astro finalmente encontra um papel que lhe cai como uma luva graças as semelhanças existentes entre ambos. Ranzinza, boçal e entediado, o jornalista consagrado interpretado por Ford é quase que uma cópia carbono da persona assumida já há algumas décadas pelo ator-celebridade, daí ser possível até encarar sua escalação como uma tirada irônica.
É uma pena, portanto, que, em meio a um contexto tão envolvente, o longa-metragem, já próximo ao término, ceda espaço a determinados clichês do gênero, característica essa que, entretanto, não retira o mérito de um trabalho, no mínimo, curioso – não obstante suas semelhanças para com O Diabo Veste Prada (EUA, 2006).

Ficha Técnica
Título Original: Morning Glory
Direção: Roger Michell                             Produção: J. J. Abrams, Bryan Burk
Roteiro: Aline Brosh McKenna               Fotografia: Alwin H. Kuchler
Elenco: Rachel McAdams, Harrison Ford, Patrick Wilson, Jeff Goldblum, Diane Keaton, 50 Cent, Arden Myrin, Liam Ferguson, Lloyd Banks.
Estreia no Brasil: 01.04.2011                 Estreia Mundial: 10.11.2010
Duração: 107 min.

Nenhum comentário:

Postar um comentário