EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Rock of Ages – O Filme


Saudade de Cameron Crowe

                      Sem valor tal como um rock farofa dos mais espalhafatosos. Assim é Rock of AgesO Filme (EUA, 2012), musical que se perde, não obstante o precioso assunto a ser explorado, graças a falta de comprometimento para com a história a ser contada. Neste passo, preocupada tão somente com o visual dos números musicais, a produção não esconde que o fiapo de roteiro filmado serve tão somente para justificar a inserção de hits conhecidos mundo afora, razão pela qual os personagens, deixados ao leo, resultam vazios quando não deslocados ou desnecessários – aspecto esse em que as maiores vítimas são Catherine Zeta-Jones, escalada em um núcleo que pouca conexão possui com o restante da obra, e Russel Brand a quem foi conferido um papel que se inexistente falta alguma faria no contexto geral do enredo. Não a toa, portanto, o longa-metragem demonstra um conjunto nada harmonioso de partes cuja comunicação é ínfima e cuja irregularidade é latente.
                        Quem salva o filme em alguns momentos é Tom Cruise que mais uma vez demonstra como seu rendimento é superior quando os holofotes não incidem exclusivamente sobre ele. Extremamente a vontade na pele de um rock star à la Axl Rose, o ator aproveita, ainda, para mostrar boa química com sua parceira de cena Malin Akerman – a qual, vale dizer, vem se revelando uma camaleoa, tamanhas as mudanças na aparência experimentadas a cada novo projeto.
                       Apenas a qualidade do desempenho de Tom Cruise, entretanto, não é suficiente para esconder a ineficiência da produção quanto ao manuseio de uma matéria-prima interessantíssima, qual seja a cena rock da segunda metade da década de 80, daí que ao invés de ser envolvente, divertido e mordaz – como fora, por exemplo, o remake de Hairspray (EUA, 2007) também dirigido por Adam ShankmanRock of Ages se conforma em ser uma espécie de episódio estendido de Glee¹, eis que calcado, principalmente, no romance bobo e previsível encenado pelo casal Diego Boneta e Julianne Hough, figuras essas esforçadas e de rostinhos bonitos, mas desprovidas de qualquer energia rock and roll.
                       Nas mãos de um Cameron Crowe esse seria um show digno de bis.
_____________________
1.     Ressalte-se que Adam Shankman também dirigiu vários episódios do seriado, o que, por certo, explica o caráter formulaico de seu trabalho em Rock of Ages.

FICHA TÉCNICA
Diretor: Adam Shankman
Elenco: Tom Cruise, Malin Akerman, Bryan Cranston, Catherine Zeta-Jones, Alec Baldwin, Paul Giamatti, Russell Brand, Julianne Hough, Will Forte, Diego Boneta
Produção: Jennifer Gibgot, Garret Grant, Tobey Maguire, Scott Prisand, Adam Shankman, Matt Weaver
Roteiro: Chris D'Arienzo, Allan Loeb, Justin Theroux
Fotografia: Bojan Bazelli
Trilha Sonora: Adam Anders
Duração: 122 min.

2 comentários:

  1. Será? Considerando apenas Quase Famosos, tem razão na última afirmação. Mas, Cameron Crowe anda tão desapontador ultimamente que acho que o resultado seria tão fraco quanto.

    ResponderExcluir
  2. Talvez você tenha esquecido do documentário PJ 20 dirigido por ele ano passado. Outra aula de rock ministrada por Crowe!

    ResponderExcluir