Código de Conduta


Colcha de Retalhos

Código de Conduta bem que poderia ser chamado de “Adivinhe o Nome do Filme”, dada sua inegável semelhança para com a brincadeira de mímica na qual os participantes tem de descobrir qual obra está sendo sugerida pelos gestos, senão, vejamos o que entrega seu “roteiro”:
Advogado promissor conhecido por não perder causas (Advogado do Diabo???) erra ao celebrar acordo que livra da condenação o assassino da mulher e filha de seu cliente, o qual, num misto de raiva e indignação, parte em busca de justiça pelas próprias mãos (hum, isso lembra o início de Gladiador...).
Assim, nosso intrépido vingador passa a eliminar cada um dos envolvidos no julgamento dos responsáveis pelo extermínio de seus entes queridos, deixando reservado na perseguição,  é claro, um espaço de destaque  para o mencionado advogado e sua família (bom, nesse quesito Retratos de uma Obsessão e os capengas Morando com o Perigo e A Mão que Balança o Berço são exemplos de suspenses que também já exploraram o tema do psicopata amedrontador de lares).
Ocorre que, como parte do plano, a vítima da injustiça, agora transformada em vilão (ué, a Samara de O Chamado fora morta e jogada em um poço desativado para, então, se tornar um espírito maligno e revanchista), deixa-se ser preso, reconhece a autoria dos crimes por ele cometidos e, pasmem, ainda dispensa a ajuda de qualquer defesa técnica (danou-se, Um Crime de Mestre pula da tela), para, de dentro de sua cela, lançar mão de seus talentos como inventor, manipulando, assim, as mais diversas quinquilharias capazes de liquidar seus algozes mesmo à distância, devendo ser aplaudido, dentre os artefatos criados, o telefone celular assassino que dispara um tiro ao ser atendido (pelo visto esse personagem foi aluno do bom e velho “Q” da série 007).
Previsível até o último fio de cabelo, esta original trama traz em seu elenco, representando o pobre advogado perseguido, Jammie Foxx – cuja atuação no piloto-automático leva ao questionamento: será ele ator de um único papel? – e, na pele do sanguinário homem que perdeu sua família, Gerard Butler – que, a cada execução cometida por seu personagem, parece ficar sedento de vontade de gritar “This is Sparta!!”.
Como jogo de adivinhação Código de Conduta pode até servir de passatempo para noites chuvosas, como filme, porém, não passa de uma vergonhosa e descarada colcha de retalhos.
Será que alguma outra obra também plagiada deixou de ser lembrada?

COTAÇÃO: **


Ficha Técnica
Título Original: Law Abiding Citizen
Direção: F. Gary Gray
Roteiro: Kurt Wimmer
Elenco: Bruce McGill (Jonas Cantrell)Michael Kelly (Bray)Viola Davis (Prefeita)Regina Hall (Kelly Rice)Gregory Itzin (Iger)Michael Irby (Detetive Garza)Leslie Bibb (Sarah Lowell)Colm Meaney (Detetive Dunnigan)Gerard Butler (Clyde Shelton)Jamie Foxx (Nick Rice)Josh Stewart (II) (Rupert Ames)
Estreia: 6 de Novembro de 2009
Duração: 108 minutos

Comentários

POSTS RECENTES MAIS LIDOS