EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




sexta-feira, 9 de abril de 2010

A Temática do Isolamento


A temática do isolamento como fomento aos mais diversos instintos primitivos de sobrevivência já fora por alguma vezes abordada tanto pelo cinema quanto pela literatura.
No início da década de 60, por exemplo, Luis Buñuel incomodou a muitos ao filmar um roteiro de sua lavra chamado O Anjo Exterminador (El Ángel Exterminador, México, 1962), cuja trama retrata um jantar da alta burguesia marcado pelo fato dos convidados não conseguirem se retirar da festa por qualquer razão que desconhecem nem conseguem entender, o que culmina em dias de isolamento nos quais as convenções, as etiquetas vão pouco a pouco sendo postas de lado em favor do desespero, da fome e do individualismo.
Utilizando o tradicional viés surrealista que marcaria sua carreira, Buñuel aproveita para, com maestria, explorar os meandros da hipocrisia humana e, por tabela, lançar suas tradicionais “tijoladas” contra a burguesia – centrada exclusivamente em seus interesses particulares – e contra a Igreja católica, dada – no entender do cineasta – sua confortável passividade perante os problemas sociais criados pelo homem e em decorrência da fragilidade de seus dogmas e de suas simbologias perante situações de crise extrema.
Já no ano de 2008 os cinemas brasileiros receberam duas outras produções cinematográficas que voltaram a abordar o assunto: Ensaio Sobre a Cegueira (Blindness) de Fernando Meirelles e O Nevoeiro (The Mist) de Frank Darabont.
O primeiro exemplo, como sabido, envolve a adaptação da obra literária de José Saramago, cuja história envolve a autêntica viagem ao inferno a qual moradores de uma cidade são submetidos após um surto de cegueira. Isolados em quarentena os protagonistas do enredo testemunham o afloramento da podridão do comportamento humano – sobretudo, por exemplo, nas pessoas que já eram cegas, dada sua natural capacidade de adaptação, o que lhes concede inevitável vantagem sobre os demais.
Assim, enquanto convivem em meio a seus próprios excrementos, os homens não se furtam a tirar proveito da fome alheia nem a praticar todo tipo de violência sexual contra as mulheres.
De modo semelhante ao adotado por Buñuel em sua obra supracitada, Saramago não se preocupa em dar motivos ao surgimento da peste branca, preferindo se concentrar nas conseqüências do isolamento, o que, sob sua batuta, dispensa a ótica do surreal, dada a plausibilidade da degradação do comportamento humano, o que acaba por dispensar metáforas e/ou alusões religiosas, afinal, na concepção do autor português, o inferno literalmente são os outros.  
Talvez por exigência comercial, a adaptação cinematográfica Blindness infelizmente se revela um tanto quanto contida nas cenas de violência e de escatologia, quando, na verdade, este é o tipo de filme que exigia cenas cruas e explícitas – ao estilo de Park Chan-Wook – capazes de passar ao espectador o grau de baixeza ao qual o homem é capaz de chegar. Por conta disso, a produção terminou ficando aquém da qualidade do livro, cuja retratação daquilo que chamamos de trevas permanece inigualável.
Por fim, O Nevoeiro adapta com ousadia o conto homônimo de Stephen King presente na compilação Tripulação de Esqueletos, isso porque, apesar de lançar mão da fantasia para justificar o isolamento de suas personagens, o roteiro explora com enorme eficácia, por exemplo, a questão do fanatismo religioso como forma de manipulação das massas.
Neste sentido, The Mist pode até ser um filme de monstros, contudo, seu final antológico, infeliz, melancólico e diverso ao da obra literária vai de encontro a qualquer padrão formulaico de Hollywood, deixando bem claro, assim, que seu aspecto fantasioso não passa de mero pretexto para o levantamento de discussões éticas e morais bem mais profundas.
Embora não sejam exemplos exclusivos de abordagem pela arte acerca do isolamento e suas conseqüências, as três obras analisadas, mesmo dispensando complementações umas para com as outras, oferecem, através da mescla do surrealismo, da fantasia e do realismo por si só, uma visão abrangente e analítica sobre diversos aspectos de um mesmo tema.
Não é à toa o cinema ser considerado a arte mais completa de todas.


COTAÇÕES:
O ANJO EXTERMINADOR - *****
ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA - ***
O NEVOEIRO - ****


Fichas Técnicas
Ensaio Sobre a Cegueira (Blindness)
Roteiro: Don McKellar
Elenco: Julianne Moore (Esposa do médico)Martha Burns (Mulher com insônia)Yoshino Kimura (Esposa do primeiro cego)Mark Ruffalo (Médico)Alice Braga (Garota com óculos escuros)Yusuke Iseya (Primeiro homem cego), Scott Anderson (Presidiário obediente)Gael García Bernal (Vigilante)Danny Lebern Glover (Velho com o tapa-olho/Narrador)Don McKellar (Ladrão)Maury Chaykin (Contador)Mitchell Nye (Garoto estrábico)Joe Cobden (Policial)
Estreia: 12 de Setembro de 2008
Duração: 120 minutos


O Anjo Exterminador (El Ángel Exterminador, Espanha, 1962)
Direção e Roteiro: Luis Buñuel
Elenco: José Baviera (Leandro Gomez)Augusto Benedico (Carlos Conde; Doctor)Enrique Rambal (Edmundo Nobile)Claudio Brook (Julio, Mayordomo; Steward)Antonio Bravo (Sergio Russell)Jacqueline Andere (Alicia de Roc)César del Campo (Alvaro, Coronel; Colonel)Rosa Elena Durgel (Silvia)Lucy Gallardo (Lucía de Nobile)Enrique García Álvarez (Alberto Roc)Ofelia Guilmáin (Juana Avila)Nadia Haro Oliva (Ana Maynar)Tito Junco (Raúl)Silvia Pinal (Leticia 'La Valkiria')Xavier Loya (Francisco Avila)
Duração: 95 minutos


O Nevoeiro (The Mist, EUA , 2007)
Direção e Roteiro: Frank Darabont
Elenco: Thomas Jane, Marcia Gay Harden, Laurie Holden, Andre Braugher, Toby Jones, William Sadler, Nathan Gamble
Duração: 126 min.

Nenhum comentário:

Postar um comentário